terça-feira, 2 de setembro de 2008

Experiência - A pressão atmosférica e os aviões.

O ar que nos rodeia exerce sobre nós uma pressão chamada pressão atmosférica. Nosso organismo está adaptado a essa pressão. Em locais baixos, como em praias, onde a altitude é baixa, a coluna de ar sobre nossas cabeças é bem maior do que a coluna de ar sobre a cabeça de uma pessoa que mora em La Paz, na Bolívia. Quanto maior a coluna de ar sobre nossa cabeça maior é a pressão atmosférica a qual nosso corpo está acostumado.

Observe a figura abaixo:

Nosso organismo não consegue se adaptar rapidamente à variações muito altas de pressão atmosférica em um curto espaço de tempo. Mas então como é que se faz com os aviões que voam muito alto?E com as naves espaciais que voam em locais onde não há ar?
Vamos ver como isso funciona??

Materiais:


  • Pote de vidro ou plástico com tampa
  • agulha larga
  • cola plástica ou cera
  • água bexiga


Experimentando 1 -
Use um recipiente que possa ser hermeticamente fechado, um desses potes de plástico, ou mesmo de vidro. Dentro desse pote, você vai colocar uma bexiga já murcha, mas não completamente vazia. Tampe bem o pote.

Perfure a tampa com uma agulha larga. No furo, passe um canudo. Use cera ou cola plástica para vedar qualquer orifício que fique ao redor do canudo.

Agora, se você aspirar o ar pelo canudo, as pressão no recipiente diminui. Aí a bexiga vai inflar, porque o ar que ela tem dentro dela trata de ocupar o maior espaço possível.

É claro que no avião não se pôde usar o mesmo método da bexiga. Mas conhecendo o fenômeno, o jeito foi construir aviões que resistissem a pressões muito baixas, em grandes alturas, sem que a pressão do interior do avião fosse modificada.


Experimentando 2 -
Mas para saber como acontece no avião vamos fazer outra experiência:Monta-se um vidro pequeno como na primeira experiência.

Só que nesse vidro deve haver uns três dedos de água. Não esqueça de vedar com cera ou cola qualquer tipo de orifício por onde o ar possa passar.

O vidro pequeno tem que ser posto dentro de um vidro maior, no qual você deve fazer a mesma coisa: tampar bem, furar, por o canudo e colar.

Quando você aspira pelo canudo do vidro grande, a água do pequeno vidro sai.

O ar contido no frasco grande está sob pressão atmosférica. Ele se ajusta a nova pressão, resultante do minivazio criado no recipiente grande quando puxamos o ar com canudo.Se você puser um tubo ou canudo bem estreito no vidro pequeno, a água vai sair mais forte, como um chafariz, mostrando que a pressão externa se modificou.


Por isso o avião tem que ser resistente a esta variação de pressão.



Agora pergunto:


Você sabe dizer como nosso corpo se adapta à menor quantidade de ar quando viajamos para grandes altitudes?





2 comentários:

Yuki disse...

Nao seria aumentando a quantidade de globulos vermelhos??

Sr. Billy Shears disse...

Não quero ser chato, mas essa frase está meio capciosa:

"Aí a bexiga vai encher, porque o ar que ela tem dentro dela trata de ocupar o maior espaço possível."

beijo